Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

maxresdefault-1
No comando: Expresso Rural

Das 05:00 as 07:00

showdamanha
No comando: Show da Manhã

Das 08:00 as 10:00

ev
No comando: Evangelizar é Preciso

Das 10:00 as 11:00

hqdefault
No comando: Túnel do Tempo

Das 10:00 as 13:00

dont_stop_sml
No comando: Don’t Stop

Das 11:00 as 13:00

12744700_1527110090952535_5084849759476091457_n
No comando: Jornal Expresso Notícia 1° edição

Das 12:00 as 12:10

a-tarde-nossa
No comando: Tarde Nossa

Das 13:00 as 17:00

radios-futebol-espanha
No comando: Futebol

Das 15:30 as 19:30

12744700_1527110090952535_5084849759476091457_n
No comando: Jornal Expresso Notícia 2° edição

Das 17:00 as 17:10

saguaros-agua-desierto
No comando: Ao Por do Sol

Das 17:10 as 19:00

img201511161345554955555med
No comando: A Voz do Brasil

Das 19:00 as 20:00

cn_lua_e_n_com_nome_02_-_c_pia
No comando: Conexão Noturna

Das 20:00 as 22:00

Zika pode ser transmitido pelo pernilongo

Compartilhe:
pernilongo05

O genoma do vírus Zika, coletado no organismo de mosquitos do gênero Culex, foi examinado por cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco.

Com o sequenciamento, foi descoberto que o vírus consegue alcançar a glândula salivar do animal, o que indicaria, segundo a instituição, que o pernilongo pode ser um dos transmissores da doença.

Os mosquitos do gênero Culex foram colhidos na Região Metropolitana do Recife, já infectados. A equipe do Departamento de Entomologia da instituição conseguiu, então, comprovar em laboratório que o vírus se replica dentro do mosquito e chega até a glândula salivar.

Acima disso, também foi notada a presença de partículas do vírus na saliva expelida do Culex. Ou seja, o inimigo é capaz de invadir o pernilongo, multiplicar-se, viajar até a glândula salivar dele e ser expelido para infectar outros seres vivos – inclusive a gente.

O impacto da descoberta

A ideia agora é analisar, entre outras coisas, a importância dessa transmissão. Em outras palavras, quão comum e fácil é para o zika se espalhar através do Culex. “Precisamos entender se ele é um vetor secundário, primário ou se não tem importância nenhuma na prática”, disse a pesquisadora Constância Ayres. “Isso vai depender de outros aspectos biológicos que são característicos dessa espécie, como a longevidade, a abundância em campo, a preferência de se alimentar com o ser humano”, completa.

Segundo ela, será necessário investigar tudo isso dentro do contexto urbano onde está a epidemia. E, claro, comparar essas características com a espécie que é hoje considerada o principal vetor – o Aedes aegypti.

Caso o pernilongo seja estabelecido como vetor importante, esse fato pode explicar a ocorrência de mais casos na região Nordeste, por exemplo, ou a relação de áreas sem esgoto com a quantidade de infecções. “O mosquito representa nossa falta de estrutura de saneamento básico. Isso é evidente em toda a cidade e favorece a sua distribuição”, comentou.

De população mais numerosa que o Aedes aegypti, o Culex poderia ser mais difícil de se controlar à primeira vista. Mas, para a pesquisadora, ocorre justamente o contrário. “A quantidade de criadouros do Aedes é infinita. Pode ser uma tampinha, um pneu, uma calha, piscina, caixa d’agua. E ele prefere água limpa. Mas o Culex gosta de água extremamente poluída, que são os canais, esgotos, fossa. Você consegue mapear e tratar”, afirma.

Este texto compila duas reportagens da Agência Brasil.

Deixe seu comentário:

Faça parte!

Faça parte!

Redes sociais

Curta no Facebook

Enquete

O que você achou de nosso novo site?